Anormalidades auriculares e orelhas de implantação baixa

Definição

As anormalidades auriculares e orelhas de implantação baixa se referem a anormalidades no formato ou na posição da orelha externa.

Nomes alternativos

Orelhas de implantação baixa; Microtia; Orelhas caídas; Defeito genético - orelha; Defeito congênito - orelha

Considerações

Durante o desenvolvimento fetal, o ouvido externo ou orelha se forma no momento em que muitos outros órgãos essenciais estão se desenvolvendo (como os rins). As anormalidades no formato ou na posição da aurícula podem ser um indicativo de que o bebê também tem outros problemas relacionados.

As anormalidades comuns incluem cistos ou pólipos na pele.

Muitas crianças nascem com as orelhas em abano (proeminentes ou projetadas). Embora as pessoas possam comentar sobre o formato da orelha, essa condição é uma variação do normal e não está associada a quaisquer outros distúrbios.

Entretanto, os seguintes problemas podem estar relacionados a condições médicas:

Causas

As seguintes condições comuns podem causar orelhas de implantação baixa e formato incomum:

Condições raras que podem causar orelhas de implantação baixa e disformes incluem:

Quando contatar um profissional de saúde

Na maior parte dos casos, um médico descobre anormalidades auriculares durante o primeiro exame de um bebê saudável. Esse exame normalmente é realizado no hospital após o parto.

O que esperar no consultório da consulta médica

O médico irá:

O médico fará uma série de medições com uma fita métrica. Outras partes do corpo também serão medidas, incluindo os olhos, mãos e pés.

Todos os recém-nascidos devem fazer um teste de audição. Exames para quaisquer alterações no desenvolvimento mental podem ser realizadas conforme a criança cresce. Exames genéticos também devem ser realizados.

TRATAMENTO

Geralmente, não é necessário tratamento para anormalidades auriculares porque elas não afetam a audição. Entretanto, algumas vezes, a cirurgia plástica é recomendada.

Anormalidades mais graves podem exigir cirurgias por motivos de aparência ou cosméticos, assim como para melhorar a função. Elas normalmente são feitas em vários estágios para criar e anexar uma nova orelha.

Referências

Haddad J, Keesecker S. Congenital malformations. In: Kliegman RM, Stanton BF, St. Geme JW, Schor NF, eds. Nelson Textbook of Pediatrics. 20th ed. Philadelphia, PA: Elsevier; 2016:chap 638.

Madan-Khetarpal S, Arnold G. Genetic disorders and dysmorphic conditions. In: Zitelli BJ, McIntire SC, Nowalk AJ, eds. Zitelli and Davis' Atlas of Pediatric Physical Diagnosis. 7th ed. Philadelphia, PA: Elsevier; 2018:chap 1.

Parikh AS, Mitchell AL. Congenital anomalies. In: Martin RJ, Fanaroff AA, Walsh MC, eds. Fanaroff and Martin's Neonatal-Perinatal Medicine: Diseases of the Fetus and Infant. 10th ed. Philadelphia, PA: Elsevier Saunders; 2015:chap 31.


Data da revisão: 10/18/2017
Revisão feita por: Neil K. Kaneshiro, MD, MHA, Clinical Professor of Pediatrics, University of Washington School of Medicine, Seattle, WA. Also reviewed by David Zieve, MD, MHA, Medical Director, Brenda Conaway, Editorial Director, and the A.D.A.M. Editorial team.
As informações aqui fornecidas não poderão ser usadas durante nenhuma emergência médica, nem para o diagnóstico ou tratamento de doenças. Um médico licenciado deverá ser consultado para o diagnóstico ou tratamento de todas as doenças. Ligue para 192 em caso de emergências médicas. Os links para outros sites são fornecidos apenas a título de informação e não constituem um endosso a eles. 1997- A.D.A.M., Inc. A reprodução ou distribuição das informações aqui contidas é estritamente proibida.
adam.com