Cistos ovarianos

Definição

Um cisto no ovário é uma bolsa cheia de líquido que se forma sobre ou dentro do ovário.

Este artigo é sobre cistos que se formam durante o ciclo menstrual, denominados cistos funcionais. Os cistos funcionais são diferentes dos cistos decorrentes de câncer ou de outras doenças. A formação desses cistos é um evento perfeitamente normal, sendo um sinal de que os ovários estão funcionando bem.

Nomes alternativos

Cistos fisiológicos no ovário; Cistos ovarianos funcionais; Cistos de corpo lúteo; Cistos foliculares

Causas

Todo mês, durante o ciclo menstrual, um folículo (cisto) cresce no ovário. O óvulo cresce no folículo.

Um outro tipo de cisto, chamado de cisto de corpo lúteo, ocorre após o óvulo ter sido liberado de um folículo. Esses geralmente contêm uma pequena quantidade de sangue.

Os cistos no ovário são comuns e ocorrem com mais frequência durante a idade fértil da mulher (da puberdade até a menopausa). Os cistos ovarianos são menos frequentes após a menopausa.

Não foram descobertos fatores de risco.

Cisto funcional não é a mesma coisa que tumores ou cistos de ovário (inclusive câncer de ovário) decorrentes de situações hormonais como a doença ovariana policística.

O uso de medicamentos para fertilidade pode provocar a hiperestimulação dos ovários, na qual múltiplos cistos grandes são formados nos ovários. Estes geralmente desaparecem após a menstruação ou após a gravidez.

Sintomas

Os cistos no ovário frequentemente não causam sintomas.

É provável que um cisto ovariano cause dor se:

Os sintomas dos cistos ovarianos também podem incluir:

Os cistos foliculares não costumam provocar alterações nos períodos menstruais, sendo mais frequentes com cistos de corpo lúteo. Alguns cistos podem provocar nódoas ou sangramentos vaginais.

Sinais e exames

Seu médico pode descobrir um cisto durante um exame físico ou em uma ecografia solicitada por outra razão.

A ecografia é realizada em muitas pacientes para diagnosticar um cisto. O médico pode pedir para vê-la novamente em 4 a 6 semanas para certificar-se de que o cisto desapareceu.

Outros exames de imagem que podem ser realizados incluem:

Seu médico pode solicitar ainda os seguintes exames de sangue:

Tratamento

Os cistos ovarianos funcionais geralmente não necessitam de tratamento. Eles geralmente somem depois de 8 a 12 semanas.

Se os cistos forem frequentes, seu médico poderá prescrever pílulas anticoncepcionais. Seu uso a longo prazo pode diminuir o surgimento de novos cistos. As pílulas não diminuem o tamanho dos cistos já presentes no ovário.

Pode ser necessária a realização de cirurgia para a remoção de cistos ou do ovário para garantir a ausência de células cancerígenas. O procedimento cirúrgico é mais provável para:

Os tipos de cirurgia para cistos no ovário são:

Seu médico pode recomendar outros tratamentos caso um distúrbio, como a doença do ovário policístico, seja a causa dos cistos no ovário.

Expectativas (prognóstico)

Os cistos que ocorrem em mulheres que ainda menstruam costumam desaparecer sozinhos. Existe um risco maior de câncer para cistos complexos em mulheres que estão na pós-menopausa. Câncer é muito improvável em casos de cisto único.

Complicações

As complicações estão associadas à doença que provoca o surgimento dos cistos. As complicações podem ocorrer com cistos que:

Quando contatar um profissional de saúde

Marque uma consulta com seu médico se:

Também entre em contato com o seu médico caso os seguintes sintomas tenham se apresentado com frequência por pelo menos duas semanas:

Esses sintomas podem indicar câncer de ovário. Estudos que incentivavam as mulheres a procurar atendimento para possíveis sintomas de câncer de ovário não mostraram nenhum benefício. Infelizmente, não há exames de triagem para rastreamento do câncer de ovário.

Prevenção

Caso não esteja tentando engravidar e apresente cistos com frequência, você pode evitá-los tomando pílulas anticoncepcionais, que previnem o crescimento dos folículos. Discuta com o seu médico.

Referências

Bulun SE. Physiology and pathology of the female reproductive axis. In: Melmed S, Polonsky KS, Larsen PR, Kronenberg HM, eds. Williams Textbook of Endocrinology. 13th ed. Philadelphia, PA: Elsevier; 2016:chap 17.

Dolan MS, Hill C, Valea FA. Benign gynecologic lesions: vulva, vagina, cervix, uterus, oviduct, ovary, ultrasound imaging of pelvic structures. In: Lobo RA, Gershenson DM, Lentz GM, Valea FA, eds. Comprehensive Gynecology. 7th ed. Philadelphia, PA: Elsevier; 2017:chap 18.

Zagoria RJ, Dyer R, Brady C. The female genital tract. In: Zagoria RJ, Dyer R, Brady C, eds. Genitourinary Imaging: The Requisites. 3rd ed. Philadelphia, PA: Elsevier; 2016:chap 7.


Data da revisão: 1/14/2018
Revisão feita por: John D. Jacobson, MD, Professor of Obstetrics and Gynecology, Loma Linda University School of Medicine, Loma Linda Center for Fertility, Loma Linda, CA. Also reviewed by David Zieve, MD, MHA, Medical Director, Brenda Conaway, Editorial Director, and the A.D.A.M. Editorial team.
As informações aqui fornecidas não poderão ser usadas durante nenhuma emergência médica, nem para o diagnóstico ou tratamento de doenças. Um médico licenciado deverá ser consultado para o diagnóstico ou tratamento de todas as doenças. Ligue para 192 em caso de emergências médicas. Os links para outros sites são fornecidos apenas a título de informação e não constituem um endosso a eles. 1997- A.D.A.M., Inc. A reprodução ou distribuição das informações aqui contidas é estritamente proibida.
adam.com