Vulvovaginite

Definição

A vulvovaginite é uma inflamação ou infecção da vulva e vagina.

Vaginite é um problema comum que afeta mulheres de todas as idades.

Nomes alternativos

Vaginite; Inflamação vaginal; Inflamação da vagina; Vaginite não específica

Causas

INFECÇÕES

Infecções por fungos são as causas mais comuns de vulvovaginite em mulheres.

A vagina normalmente contém bactérias saudáveis ??e bactérias patogênicas (que podem causar doença). A vaginose bacteriana ocorre quando a quantidade de bactérias patogênicas é maior que a de bactérias saudáveis. A vaginose pode causar uma secreção vaginal fina e acinzentada, com odor de peixe.

Um tipo de vaginite menos comum, chamado tricomoníase, é transmitida por contato sexual. Os sintomas em mulheres incluem prurido genital, odor vaginal e secreção abundante de cor amarelada ou esverdeada.

OUTRAS CAUSAS

Produtos químicos podem causar irritação na área genital.

Baixos níveis de estrogênio em mulheres após a menopausa podem causar secura vaginal e afinamento do revestimento da vagina e da vulva. Esses fatores podem causar ou agravar a coceira e a sensação de queimação.

Outras causas incluem:

Às vezes, pode não ser possível identificar uma causa exata. Isso é chamado de vulvovaginite inespecífica.

O tecido irritado é mais propenso a infecções que o tecido normal, e muitos organismos que causam infecções se proliferam em ambientes quentes, úmidos e escuros. Esses fatores podem contribuir para a causa da vulvovaginite e, com frequência, prolongam o período de recuperação.

No caso de crianças com infecções incomuns e episódios recorrentes de vulvovaginite inexplicável, deve-se considerar a possibilidade de abuso sexual.

Sintomas

Sintomas incluem:

Sinais e testes

Se você foi diagnosticada com uma infecção fúngica anteriormente, você pode tentar tratamento em casa conforme orientação médica. Entretanto, se os sintomas não desaparecerem por completo em uma semana, entre em contato com seu médico. Muitas outras infecções apresentam sintomas semelhantes.

O médico realizará um exame pélvico. O exame pode identificar áreas sensíveis e vermelhas na vulva ou na vagina.

Um teste com cultura (avaliação microscópica do corrimento vaginal) é geralmente realizado para identificar uma infecção vaginal ou o crescimento excessivo de fungos ou bactérias. Em alguns casos, a cultura do corrimento pode indicar o organismo que está causando a infecção.

Uma biópsia da área irritada pode ser recomendada se não existirem sinais de infecção.

Tratamento

Cremes ou supositórios são usados para tratar infecções fúngicas na vagina. Siga as instruções que acompanham o remédio que você está usando.

Existem muitos tratamentos para a secura vaginal. Antes de tratar seus sintomas por conta própria, consulte um médico para encontrar a causa do problema.

Se você tem vulvovaginite bacteriana ou tricomoníase, seu médico poderá prescrever:

Outros medicamentos que podem ajudar incluem:

Siga as orientações e use o medicamento exatamente como prescrito. Nunca use medicamentos sem antes consultar o seu médico.

Expectativas (prognóstico)

O tratamento adequado geralmente é muito eficaz.

Quando contatar um profissional de saúde

Entre em contato o seu médico se apresentar sintomas de vulvovaginite ou se o tratamento não melhorar os seus sintomas.

Prevenção

Mantenha sua área genital limpa e seca quando tiver vaginite.

Evite duchas vaginais. Muitas mulheres se sentem mais limpas quando usam duchas vaginais, mas elas podem piorar os sintomas ao remover bactérias saudáveis que colonizam a vagina. Essas bactérias ajudam a proteger contra a infecção.

Outras dicas incluem:

Arejar a região genital também pode ser útil:

Recomendações específicas para crianças incluem:

Pratique sexo seguro e use camisinha nas relações sexuais para evitar infecções.

Referências

Eckert LO, Lentz GM. Infections of the lower genital tract: vulva, vagina, cervix, toxic shock syndrome, endometritis, and salpingitis. In: Lentz GM, Lobo RA, Gershenson DM, Katz VL, eds. Comprehensive Gynecology. 6th ed. Philadelphia, PA: Elsevier Mosby; 2012:chap 23.

Hoefgen HR, Meritt DF. Vulvovaginitis. In: Kliegman RM, Stanton BF, St. Geme JW, Schor NF, eds. Nelson Textbook of Pediatrics. 20th ed. Philadelphia, PA: Elsevier; 2016:chap 549.

McCormack WM, Augenbraun MH. Vulvovaginitis and cervicitis. In: Bennett JE, Dolin R, Blaser MJ, eds. Mandell, Douglas, and Bennett's Principles and Practice of Infectious Diseases. 8th ed. Philadelphia, PA: Elsevier Saunders; 2015:chap 110.


Data da revisão: 5/16/2016
Revisão feita por: Irina Burd, MD, PhD, Associate Professor of Gynecology and Obstetrics at Johns Hopkins University School of Medicine, Baltimore, MD. Review provided by VeriMed Healthcare Network. Also reviewed by David Zieve, MD, MHA, Isla Ogilvie, PhD, and the A.D.A.M. Editorial team.
As informações aqui fornecidas não poderão ser usadas durante nenhuma emergência médica, nem para o diagnóstico ou tratamento de doenças. Um médico licenciado deverá ser consultado para o diagnóstico ou tratamento de todas as doenças. Ligue para 192 em caso de emergências médicas. Os links para outros sites são fornecidos apenas a título de informação e não constituem um endosso a eles. 1997- A.D.A.M., Inc. A reprodução ou distribuição das informações aqui contidas é estritamente proibida.
adam.com